MEMORIZAÇÃO DE NOMES

COMO AS PESSOAS TOMAM DECISÕES
dezembro 24, 2016
ENTREVISTA
dezembro 24, 2016
Show all

MEMORIZAÇÃO DE NOMES

As pessoas me perguntam como consigo memorizar o nome de todos os participantes dos cursos em tão pouco tempo, ou seja, na apresentação inicial. O que muitos não sabem é que sou péssimo com nomes, por isso utilizo algumas técnicas da Programação Neurolinguística. É claro que sete anos aplicando cursos todas as semanas, treinando minha mente para memorizar o nome de aproximadamente 2.000 pessoas por ano, chega um instante que a memorização acontece automaticamente. Vamos entender isso abaixo.

Inicialmente vou fazer uma abordagem teórica sobre como sua mente armazena as informações e depois o que você deverá fazer para guardá-las por mais tempo.

Primeiro é importante compreender que toda informação entra na sua mente pelos Canais Sensoriais, também conhecido como Sistema Representacional: visual, auditivo e cinestésico. Quanto mais recursos visuais, auditivos e cinestésicos você utilizar melhor será a qualidade das informações captadas. Cada indivíduo possui um sistema mais desenvolvido que o outro e este é utilizado para comunicar, aprender e tomar decisões. Eu, por exemplo, sou extremamente visual e por isso quando uma pessoa se apresenta falando seu nome eu utilizo imagens mentais para ver o nome dela escrito em algum lugar interno na minha mente. Já outros que são cinestésicos, ou seja, precisam usar o olfato, paladar e tato para comunicar, poderiam escrever o nome da pessoa numa folha e assim ajudará sua mente a memorizá-lo.

Assim que a informação já se encontra em sua mente ela pode ser armazenada nas regiões de curto, médio e longo prazo. Como o ser humano não para de pensar nem um segundo sequer, informações armazenadas na região de curto prazo logo vão sendo substituídas por outras e assim sucessivamente se perdendo nesse meio tempo. Para armazená-las por mais tempo você deverá criar uma estratégia mental para transferi-la para as regiões de médio e/ou longo prazo. Quando estamos dormindo, nossa mente continua pensando e a memória de curto prazo passa para médio e longo prazo automaticamente.

Fazendo uma analogia a um computador, nossa mente é como se fosse uma porção de softwares instalados para cada atividade. Existe um software responsável pelo armazenamento das informações na nossa mente e este precisa ser estimulado, ou seja, usado cada vez mais para desenvolvê-lo. Assim, o software de memorização mental começa a evoluir passando de 1.0 para 2, 3, 4.0 e assim por diante.

Quanto mais estimulamos nossa mente memorizando uma informação, maior movimentação dos neurotransmissores, mais sinapses são criadas, mais impulsos nervosos são enviados pelos nossos neurônios e assim muitos caminhos são construídos naquela região cerebral para acessar a mensagem armazenada. Quando regressamos para acessar a informação armazenada além de passar pelo mesmo caminho construído, novos percursos serão criados para chegar mais facilmente naquela região de armazenamento, catalisando e acelerando o processo. A prática diária da memorização é algo fundamental para o desenvolvimento do lado esquerdo de cérebro, responsável pelo armazenamento de informações.

As pessoas falam que o que é engraçado, anormal e ridículo ninguém esquece! Isso é uma verdade e vou explicar por quê. Lembra na sua turma de ensino médio, faculdade, línguas onde os colegas mais engraçados da turma todos lembram até hoje e aqueles calados que ninguém os ouvia falar muitas vezes encontramos com eles na rua e nem lembramos se foi ou não nosso colega? Você também se lembra de uma cena em que alguém passou por um vexame, ou mesmo você passou por uma situação ridícula? Lembra ainda as coisas estranhas de extraterrestre ou monstros que te contavam e esse dia sempre está preso na sua memória? Pois bem, o que aconteceu para essa informação, talvez indesejada, não sair da sua mente é que você oscilou drasticamente sua emoção naquele dia a ponto de registrá-la definitivamente. Nós conseguimos lembrar facilmente das situações onde oscilamos positivamente ou negativamente nossa emoção. Lembre-se do primeiro namorado(a)? Casamento, primeiro filho(a), festa de 15 anos, algum campeonato que você venceu. Você consegue se lembrar também das oscilações emocionais negativas como perda de pessoas queridas, animais, acidentes. Nestas situações detalhes são lembrados por causa da oscilação emocional.

Em suma a transferência da memória de curto para a memória de médio e longo prazo se dá pela oscilação drástica da sua emoção. Esse fato explica o por quê você dormindo, volta e meia acorda assustado com um pesadelo, pois sua mente está criando situações para você alterar sua emoção e armazená-la na região de médio e longo prazo. Sua mente é tão fantástica que faz isso automaticamente como uma estratégia mental de armazenamento e nós acordamos preocupados com o que sonhou. Acalme-se, é apenas sua mente usando um recurso natural para memorizar.

1ª TÉCNICA:

A questão é como posso fazer isso acordado?

Para conseguir o resultado esperado na memorização você deve trabalhar quatro aspectos:

EMOÇÃO

ENVOLVIMENTO

AÇÃO

IMAGEM

Imagem porque você deve criar uma representação interna de qualquer situação que preferir com o nome que deseja memorizar. Você deve trabalhar com sua imagem mental, assim como nos sonhos. Crie uma situação na sua mente em que você consiga alterar sua emoção. Exemplo: para memorizar meu primeiro nome, Everton, você fecha os olhos e vê uma pedra enorme. Nessa pedra você escreve Everton com uma britadeira. Pegue álcool e coloque no espaço onde foram abertas as letras. Agora ateie fogo e de repente o céu escurece, você olha para cima, assusta-se pela escuridão rápida e o fogo começa a derreter a pedra. Você continua vendo se o nome Everton está escrito corretamente e ao mesmo tempo escutando o barulho do fogo consumindo a pedra. Coloque sua mão e você se queima. Abra os olhos.

É apenas um treino. Nesse espaço você criou situações impossíveis, anormais e ridículas. Pode criar também algo engraçado. Você está apenas treinando sua mente inconscientemente para gerar mais sinapses nessa área mental e aprendendo novas estratégias de memorização.

Envolvimento porque você tem que participar da história mental, pois a emoção que deve ser alterada é a sua. Então você deve ser o protagonista que verá, ouvirá e sentirá as experiências vividas na imagem.

Ação porque a imagem não pode ser estática e sim existir uma linha do tempo para sua mente acreditar que é real. Sua mente não sabe o que é presente, nem passado, nem futuro. Simplesmente por você imaginar sua mente acreditará que está acontecendo realmente com você. Se você, por exemplo, se lembrar de algum acontecimento no passado que te magoou muito, você irá chorar ou sofrer agora, neste instante, no presente. As reações corporais vêm como se fosse hoje, independente do tempo atrás que isso aconteceu. Da mesma forma acontecimentos futuros, por exemplo, uma entrevista, apresentação, mudança, decisão judicial que te deixou ansioso(a), sua mente pelo simples fato de lembrar da situação futura irá alterar seu comportamento antes mesmo da situação acontecer, mesmo sem você saber se irá passar por tudo aquilo ou não, uma séries de comportamentos internos como descarga de hormônios, adrenalina irá ser descarregada no seu corpo.

Emoção porque é a oscilação drástica que transfere para médio e longo prazo. Você precisa criar algo que te provoca uma sensação horrível ou muito boa, buscando sempre extremos. Algo que abale suas emoções e você signifique como incomum, anormal, ridículo, engraçado, estranho.

Vamos praticar:

Mesa, cadeira, geladeira, caneta, porta, professor, mochila, toalha, guarda-roupas, janela, piscina, morcego, ovo.

Poderíamos colocar dezenas de palavras, mas vamos nos ater em somente 13.

Inicialmente a técnica é feita com os olhos fechados para você se concentrar melhor até adquirir a prática. A história:

Você agora está chegando na sua casa e vê a mesa principal pintada de preto com bolinhas rosas e já atribui a culpa ao amigo mais próximo, como se ele estivesse fazendo isso para te prejudicar. Você fica bravo e quando toca na mesa a cadeira salta em cima dela e você vê dentes de tubarão na cadeira que tenta te morder e você corre para a cozinha onde encontra uma geladeira de ouro e pensa: “Nossa, estou milionário.” Abre a geladeira e encontra uma caneta azul feita de cristal. Uma raridade e maravilha nunca vista antes. Você pega a caneta e corre para o seu quarto. Ao chegar lá encontra a porta do quarto pintada de palhaço. Chuta a porta e ele cai quase acertando seu professor que está vestindo uma fantasia de mulher maravilha. Você logo cai na gargalhada. Ele sem graça pega a sua mochila e toca fogo. Você vê sua mochila pegando fogo e desesperado pega a toalha rasgada dentro do seu guarda-roupas para apagar o fogo. Seu professor fica rindo de você com aquela toalha rasgada. Você com muita raiva escora ele na janela e ameaça jogá-lo para o outro lado. Ele te puxa e vocês dois caem numa piscina. Quando você observa você vê um morcego de aproximadamente quatro metros na piscina e com muito medo submerge e vê que o morcego botando ovos enormes. Abra os olhos e agora você consegue falar a sequência de palavras até de trás para frente.

2ª TÉCNICA:

Partindo do conceito de que a prática e sua repetição desenvolvem a região mental responsável pela memória, podemos utilizar outra técnica: A ASSIMILAÇÃO.

A Assimilação acontece quando você já possui uma informação armazenada em sua mente e você usa esta para ancorar outra, ou seja, sustentar a informação nova criando um vínculo mental que facilitará a busca da nova informação.

Quatro aspectos precisam ser praticados:

DISSOCIAR

ALGO EM COMUM

IMAGEM INTERNA

REPETIÇÃO

Vamos utilizar exemplos para facilitar nossa comunicação.  Vamos supor que você encontre um cliente e ele se apresente como EVERALDO. Primeiro passo então é dissociar o nome, se for necessário. Ever + Aldo forma o nome Everaldo. Agora buscar na sua mente algo em comum, ou seja, um nome de um amigo que você conhece que pode ser usado para ancorar/sustentar o Ever + Aldo. Exemplo: eu usaria meu primeiro nome Everton e o nome de um rapaz de Januária que conheci, o Aldo. Então capto na minha mente e construo uma imagem interna da fisionomia do EVERALDO + do EVERTON + do ALDO. Agora começo a misturar de maneira talvez engraçada, anormal ou ridícula. Pego, por exemplo, a sobrancelha do Everaldo e misturo com a do Aldo, o nariz do Everton e instalo na orelha do Everaldo e dou risadas da imagem interna. Vou repetindo essa cena na mente várias vezes a ponto de sempre que olhar para o Everaldo lembrar do Everton e do Aldo. Você também pode simplesmente pegar o nome EVER e repetir na sua mente através de um diálogo interno (você conversando consigo mesmo):

“Qual o nome desse sujeito? Quando eu olhar para ele eu imagino Everton. Ao olhar imagino Everton… Qual o nome desse sujeito? Everton, não. Algo similar. Ah! Ever alguma coisa”

E assim, repetindo isso internamente, você ajudará sua mente a toda vez olhar para o sujeito vir automaticamente EVER e então complete com o Aldo e assim Everaldo.

Parece ridícula a técnica, mas é exatamente por isso que ela funciona, para trazer algo ridículo para sua mente e gravar. O objetivo das técnicas de memorização não é criticar a imagem que você irá construir e sim obter um resultado mais evoluído que muitas pessoas não conseguem. Quando memorizo o nome de 50 participantes na apresentação individual que eles fazem no início dos cursos e no momento que vou me apresentar falo o nome de todos ninguém fala que é ridículo, pelo contrário, elogiam, admiram e me perguntam como consigo. Então está ai, façam bom uso delas e sucesso para todos vocês.

(SILVEIRA, Everton Saulo, “Memorização de Nomes”. Montes Claros, Minas Gerias, maio. 2012. Disponível em: http://e-saulo.com.br/memorizacao-de-nomes)

Os comentários estão encerrados.